Documento com as políticas e estratégias educacionais de Sobral será disseminado como exemplo de boas práticas para outros países em desenvolvimento.


A qualidade da educação pública de Sobral tem chamado a atenção internacional. De 12 a 14 de fevereiro, o município recebe uma comitiva do Banco Mundial com o objetivo de apresentar, discutir e validar um relatório técnico internacional produzido pelo Banco sobre o conjunto de políticas pública de Sobral que fizeram com que o município tenha reconhecidamente a melhor educação do Brasil no Ensino Fundamental. Após a sua validação, o relatório será disseminado internacionalmente pelo Banco.

A carta de anúncio da missão técnica também destaca que o objetivo é “aprender com a equipe do governo lições práticas sobre os principais fatores de sucesso do Município de Sobral na redução da pobreza de aprendizagem na última década, incluindo o compromisso político para melhorar os resultados da alfabetização, reforçando a eficácia dos professores, e o uso de mecanismos de transferência para incentivar resultados educacionais”.

A programação terá início na quarta-feira (12/02) com uma reunião com o prefeito Ivo Gomes, o secretário da Educação, Herbert Lima, na qual será apresentada a minuta do relatório do Banco Mundial sobre as políticas de educação do Sobral e do Ceará para discussão e validação pelas equipes da Prefeitura de Sobral.

Já na quinta-feira (13/02), a comitiva se reúne com as equipes técnicas da Secretaria da Educação, que trabalharam nos diferentes aspectos das reformas (sistemas de monitoramento e uso pedagógico de avaliações de aprendizagem, política para docentes e currículo); visita escolas e reúne-se com professores para validar as informações presentes no relatório.

A missão será coordenada por Omar Arias (gerente na área de educação) e contará com a participação de Reema Nayar (coordenadora de iniciativas especiais de educação); Paloma Anós Casero (diretora do Banco Mundial para o Brasil); Pablo Acosta (coordenador de desenvolvimento humano para o Brasil); André Loureiro e Monica Yanez (economistas sênior); Jason Allen Weaver (especialista sênior em educação); Halsey Rogers (economista líder); Michael Crawford (especialista líder em educação); Ruth Charo, Janssen Teixeira e Enrique Alasino (especialistas  seniores  em educação); Lúcia Nhampossa (especialista em educação); além de outros economistas, especialistas em educação, representantes da Fundação Lemann e intérpretes.